O tipo de apoio que um verdadeiro debate precisa

Share to Facebook Share to Twitter Share to Email

Não existe melhor forma de apoiar um debate do que se engajar ativamente nele, seja com opiniões favoráveis ou contrárias. É por essa razão que a campanha Somos Todos Responsáveis gostaria de agradecer pela intensa participação e colaboração de Fátima Rodrigues, Ana Julia Portela, Mariana Machado de Sá, Silvia Dussel Schiros e Verônica Semijanos, fãs do nosso perfil no Facebokk. Seu nível de engajamento é impressionante. Para que se tenha uma ideia, no mês de outubro a comunidade Somos Todos Responsáveis no Facebook recebeu quase 500 comentários deixados por 150 pessoas diferentes. Cerca de 45% de todos os comentários no geral e quase 70% de todos os cometários contendo críticas foram deixados por elas, ou seja, por apenas cinco pessoas. Esse tipo de envolvimento não é de hoje. Desde que o perfil foi lançado há quase um ano nota-se que elas participam ativamente. Quase sempre com críticas, diga-se. Segundo os moderadores da página no Facebook, nem sempre a convivência com ”fãs” tão aguerridos é pacífica, mas todos reconhecem que esse tipo de envolvimento é extremamente importante para a construção de um verdadeiro debate, como o que está sendo conduzido pela campanha Somos Todos Responsáveis, onde as pessoas podem se expressar livremente, até quando a crítica parece sistemática e injusta. Por isso, mais uma vez, agradecemos pelo grande apoio de Fátima, Ana Julia, Mariana, Silvia, e Verônica. Em tempo, em outubro, o perfil Somos Todos Responsáveis no Facebook ganhou mais de cinco mil novos fãs e registrou mais de sete mil manifestações positivas e de apoio à campanha. Fica também, a todos que nos apoiaram, nossa gratidão. Esperamos que continuem conosco.

Somos Todos Responsáveis - A campanha se opõe a ideia de que a proibição da chamada publicidade infantil é uma estratégia adequada para lidar com a difícil questão da influências das mídias sobre as crianças. Reconhece o papel da publicidade e sua capacidade de persuadir, mas acredita que o Brasil já tem as ferramentas necessárias para lidar com o assunto. Além disso, defende uma ampliação da discussão, pois não faz sentido discutir a publicidade isoladamente em um mundo onde a influência vem de toda parte, dos videogames, da internet...

 

Share to Facebook Share to Twitter Share to Email

Nenhum Comentário

Você deve efetuar o login para deixar um comentário.